A 28ª edição da feira agrícola, comercial e industrial de Cantanhede (Expofacic), uma das maiores do país, foi apresentada na passada quinta-feira, dia 24 de maio.

Em termos de afluência de visitantes nos 11 dias do evento – de 26 de julho a 05 de agosto – Helena Teodósio disse esperar “números semelhantes aos anteriores”, em redor das 385 mil entradas.

Idalécio Oliveira, da empresa municipal Inova, parceira da organização apresentou o programa detalhado do certame, destacando, entre outros aspetos, a estreia nacional de uma exposição sobre o navio de passageiros naufragado em 1912, intitulada “Titanic:

. A Expofacic, que ocupa uma área de cerca de 95 mil m2 com 1.470 metros de perímetro, localizada no centro da cidade de Cantanhede, possui 600 espaços de exposição – com 500 expositores – 18 dos quais para escolas, 47 tasquinhas, a grande maioria de associações do concelho, sete palcos, 15 parques de estacionamento, 11 jardins, um hospital de campanha, um acampamento a 1.500 metros do recinto, dinamizado por escuteiros com capacidade para 500 pessoas e um sistema de limpeza geral do recinto e da envolvente que funciona todos os dias a partir das 04:00.

Os autocarros de transporte de visitantes de e para destinos vizinhos passam a contar, este ano, com mais uma linha, e servem as localidades da Figueira da Foz, Coimbra, Águeda, Aveiro e praias da Tocha e de Mira, em três viagens diárias de ida e volta.

Este ano serão também distribuídos copos reutilizáveis “com água da rede e gratuitamente aos visitantes”, indicou Idalécio Oliveira.

O cartaz do palco principal tem nos britânicos Waterboys  e James Arthur os principais destaques, junto com o ‘rapper’ brasileiro Marcelo D2 e os Dire Straits Experience tributo que integra ex-membros da banda.

Entre os artistas nacionais, o programa inclui, entre outros, Slow J, Tony Carreira ,Piruka, HMB ,José Cid, Ana Moura,Miguel Araújo e a banda de que foi fundador, Azeitonas e para encerrar Xutos e Pontapés.

Na sessão de ontem, Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal, justificou o apoio da entidade a que preside dado a Expofacic possuir “um ícone fortíssimo, que é a possibilidade de gerar negócios”, fator que considerou “distintivo”.

Por outro lado, a animação “de vários dias permite a permanência de turistas na região” a que se juntam, segundo Pedro Machado, as componentes popular, pedagógica e de formação de públicos da feira, que contribuem para o seu caráter “diferenciador”, disse.