Francisco Moita Flores, autor de obras que já ascenderam à categoria de clássicos da literatura portuguesa como «Mataram o Sidónio!», investigador e antigo inspetor da Polícia Judiciária, foi o convidado da mais recente sessão das 5as de Leitura, realizada a 15 de fevereiro de 2018, no Auditório Municipal.

Num serão literário conduzido pelo Vereador da Educação, Nuno Gonçalves, a quem coube também a apresentação do escritor «com uma vida de uma riqueza incomum», Moita Flores deu uma lição de História especial. «Gosto de ir à História invisível, a que não é ensinada nas escolas, não é discutida, não é contada», explicou, antes de falar sobre D. Manuel II, o «puto de 18 anos, sem preocupações políticas porque, sendo segundo filho, não era provável que viesse a ocupar o trono; o miúdo que queria ir para a Escola Naval e que viu a sua vida desgraçada ao tornar-se, por paradoxo que pareça, rei, depois de ter visto morrer o seu pai, D. Carlos, e o irmão, D. Luís Filipe», primeiro na linha de sucessão da Dinastia de Bragança. É a ‘história invisível’ desse jovem, que se vê obrigado a procurar noiva e a assumir um reino período de convulsões, que Moita Flores conta em «O Mensageiro do Rei», livro que marca trinta e cinco anos de carreira literária do autor. «Ao longo deste meu caminho feito de palavras escrevi 21 romances, 22 séries de televisão, três telenovelas, nove filmes e oito peças de teatro», elencou. «Quis, neste livro, juntar tudo isso: o romance, o ritmo das gravações, os diálogos teatralizados», resumiu. «A história é sempre a mesma, claro, a do romance entre D. Manuel II e a atriz francesa Gaby Desly, a deusa que a República, de França, lhe deu, depois da monarquia inglesa lhe ter negado a princesa que estava destinada ao seu irmão», contou. A propósito deste episódio, Moita Flores partilhou com os presentes a sua leitura da chegada da I República. «Não foi uma revolução, foi um piparote. A História também se faz de acasos e, no nosso, a Monarquia caiu porque o povo pensou que se rendia quando, afinal, quem se rendia era o Embaixador alemão, que queria afastar-se daquela confusão e apareceu agitando um lenço branco», sublinhou. Mas nem todas as datas históricas são fruto de equívocos e Moita Flores não escondeu a indignação perante a abolição, temporária, do feriado de 1 de Dezembro. «Não fosse o 1 de Dezembro de 1640 e a nossa língua seria como o basco ou o galego. Mas é, hoje, a maior riqueza que entregámos ao mundo, pois não há um único fuso horário onde não se diga ‘amo-te’ ou ‘tenho saudades tuas’», frisou, considerando que «quiseram assassinar o momento libertador da Língua Portuguesa». Para a continuar a honrar, Moita Flores revelou que já está a trabalhar num novo livro, o seu primeiro romance policial, passado noutro momento determinante da vida do país, o ano de 1937. «Tem-me dado água pela barba», confessou.

A dias de completar 65 anos, Moita Flores assumiu-se como um escritor e um homem realizado. «Se fechar os olhos, não tenham pena de mim. Como o Gabriel Garcia Marques, confesso que vivi. Vivi amores, paixões, tudo intensamente e com olhos de ver, de olhar para as coisas e de gostar delas e das mais de mil personagens que me habitaram até agora», concluiu.

A sessão das 5as de Leitura, que contaram com a atuação de Ana Carina Sousa, aluna do Conservatório de Música David de Sousa, em flauta transversal, terminaram com a habitual sessão de autógrafos e um convívio intimista entre escritor e leitores, à volta de chá de limonete.

Fonte:Município da Figueira da Foz