Foi apresentado hoje em livro, na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC), o estudo da investigadora Susana Paixão que mostra que compensa fazer reciclagem, com resultados evidentes na poupança da produção de CO2 e de energia, face ao que seria gasto na produção de novos materiais.

A docente da Escola Superior de Tecnologia de Saúde de Coimbra (ESTeSC) Susana Paixão realizou uma investigação com o objetivo de quantificar a energia consumida e de CO2 (dióxido de carbono) emitido na recolha e transporte dos resíduos dos Ecopontos até à estação de triagem, verificar a energia e o CO2 poupado com a reciclagem das quantidades que saem do centro de triagem, e, finalmente, comparar a energia e o CO2 poupado com a reciclagem destes materiais face à produção de materiais novos.

A investigadora, que acompanha esta temática desde a implementação do Plano Estratégico de Gestão de Resíduos Urbanos em 1997, que tinha como objetivos principais,o encerramento das lixeiras e a sua substituição por aterros sanitários ª, bem como implementação/dinamização da recolha selectiva, quis “responder à pergunta se separar os resíduos compensa”, e os resultados apontam para uma resposta positiva.

Segundo Susana Paixão, verificou-se “um balanço muito positivo no que respeita às quantidades de CO2 que são poupadas com a reciclagem dos resíduos provenientes dos ecopontos comparativamente com a quantidade de CO2 emitido com a sua recolha e encaminhamento para a estação de triagem”.

Por outro lado, afirma, a investigação permitiu chegar à conclusão “que também conseguimos poupar energia ao reciclarmos os materiais recolhidos, quando comparamos com a energia que é gasta com a recolha e transporte destes mesmos materiais”.

Segundo a investigadora, até ao momento não havia nenhum estudo em Portugal com estas características. O estudo desenvolveu-se com a análise dos dados obtidos através dos dados disponibilizados pela ERSUC, empresa gestora dos resíduos urbanos, referentes às “quantidades de resíduos” provenientes da recolha seletiva dos ecopontos dos concelhos de Coimbra e Figueira da Foz no Distrito de Coimbra e dos “quilómetros percorridos” para a recolha desses mesmos resíduos e o seu encaminhamento para a estação de triagem nos anos de 2009 a 2013.

Por outro lado, com a informação recolhida sobre a tipologia dos camiões de recolha e respetivo ano de matrícula, recorreu-se ao software COPERT IV para obter as quantidades de CO2 emitidos por fluxo de resíduos, tendo conseguido fazer um balanço, recorrendo ao programa STOPWASTE.