A obra de defesa costeira na Figueira da Foz, que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) lançou a concurso em área fora da sua jurisdição, vai avançar e estará concluída antes da época balnear, disse fonte portuária.

Em declarações hoje à agência Lusa, no final de quase três horas de reunião entre a autarquia da Figueira da Foz, a APA e a administração portuária, o presidente da Administração do Porto da Figueira da Foz (APFF), Braga da Cruz, disse que a intervenção “é para ficar concluída até 15 de junho”.

“Foi importante esta reunião, confirmámos a sintonia entre todas as entidades face ao projeto concreto, que reúne condições para ir para o terreno”, adiantou Braga da Cruz, remetendo mais explicações sobre a obra costeira para a Agência Portuguesa do Ambiente.

A intervenção inclui a reconstituição da chamada duna do Cabedelo – uma duna artificial, um paredão entre o início do molhe sul do rio e um campo de futebol, construído na década de 1960 para proteção de um antigo bairro de pescadores que ali existia e hoje coberto de areia, anexa ao areal – e a construção de um muro de suporte e enrocamento adjacente ao molhe sul do porto comercial, bem como de acessos à praia do Cabedelo.

A obra, que foi alvo de concurso público (cujo prazo de receção de propostas terminou em janeiro e que, segundo fontes da autarquia, já foi adjudicada), foi um dos temas da reunião hoje realizada, tendo a APA apresentado o projeto à administração portuária, que tem a tutela daquele território e o desconhecia.

“Também tinha de ser apresentada à administração do porto, na medida em que ainda mantém a tutela sobre aquele espaço”, disse, por seu turno, o presidente da Câmara da Figueira da Foz, João Ataíde.

O autarca disse ainda desconhecer os prazos da obra e não se mostrou preocupado que esta possa vir a decorrer na época balnear, numa das praias mais concorridas da Figueira da Foz, à qual afluem milhares de pessoas por dia.

“Acho que a intervenção será imediata. Normalmente, há sempre essa cautela [com o calendário], nunca se fizeram obras no decurso da época balnear. Mas, para o que [ali] está, tudo o que se possa vir a fazer seguramente que fica muito melhor”, argumentou.

No entanto, a anunciada intervenção, cujo projeto não foi tornado público, tem vindo a causar apreensão nos utilizadores da praia do Cabedelo – um dos principais destinos nacionais para a prática do surf – e nos concessionários da zona, quer em relação à tipologia dos trabalhos, quer sobre o calendário da obra.

Em causa está o receio de que a reconstituição dunar possa vir a ser efetuada com a retirada de areia da própria praia – a exemplo do que sucedeu em 2015, na construção de uma duna artificial, poucos quilómetros a sul do Cabedelo, que tem vindo a ser destruída pelo mar nos dois últimos invernos – e também que o próprio muro de proteção tenha efeitos negativos na onda preferida dos surfistas da zona.

Questionado pela Lusa à saída da reunião, o vice-presidente da APA, António Sequeira Ribeiro, recusou falar sobre o encontro de hoje e aspetos relacionados com a obra.

“A APA não tem problemas [em prestar declarações]. Eu é que não quero falar”, declarou.