O Hospital Distrital da Figueira da Foz é uma das sete unidades de saúde visadas numa auditoria do Tribunal de Contas (TdC) relativa aos anos de 2013 e 2014.

Nesse relatório, é dito que nos sete hospitais — a saber: Hospital Professor Doutor Fernando da Fonseca (Amadora-Sintra), a Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano, a Unidade de Saúde da Guarda, o Hospital Distrital da Figueira da Foz, o Centro Hospitalar de Leiria, o Centro Hospitalar Entre o Douro e Vouga, e o Hospital Garcia de Orta (Almada) — foram detetados 85 contratos, no valor global de 100 milhões de euros, que não se submeteram ao visto prévio exigido legalmente.

A auditoria foi feita “com o objetivo de verificar o cumprimento da obrigação de remessa para fiscalização prévia do Tribunal de Contas dos atos, contratos e minutas de contratos a que estavam obrigados nos anos de 2013 e 2014”.

Segundo o relatório do TdC, os contratos em causa diziam sobretudo respeito à aquisição de medicamentos e contratação de serviços referentes a “fornecimento de alimentação, gestão e exploração de serviços de imagiologia e aquisição de serviços médicos”.