A Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) apelou à população para evitar as urgências, “sempre que possível”, e recorrer ao centro de saúde ou à Linha Saúde 24 face à previsão de baixas temperaturas para os próximos dias.

O Departamento de Saúde Pública (DSP) da ARSC afirmou, em comunicado enviado à agência Lusa, que as pessoas que tenham como sintomas dores musculares, dores de cabeça ou tosse e febre devem recorrer “ao médico do seu centro de saúde” ou ligarem para a Linha Saúde 24, evitando, “sempre que possível”, uma ida à urgência do hospital.

O DSP reforça também os “conselhos a ter com o frio”, principalmente por parte de grupos vulneráveis, como bebés ou idosos, refere a ARSC.

Para os bebés, o departamento aconselha a que estes não saiam de casa nos dias “de frio intenso”, e, no caso de sair, a cabeça, as mãos, orelhas e pés devem estar bem agasalhados, os pais devem utilizar várias camadas de roupa no bebé, dar de beber regularmente e verificar que a criança está bem protegida do frio no carrinho onde é transportada.

Para os idosos, o DSP do Centro sublinha o papel importante que os familiares, amigos e vizinhos podem ter, “devendo manter um acompanhamento de proximidade, sempre que possível, de pessoas idosas sós ou isoladas”, com um telefonema ou um contacto pessoal “pelo menos uma vez por dia”.

Como medidas para esta faixa etária, o Departamento de Saúde Pública sublinha que os idosos devem manter a casa quente e o corpo hidratado, usar “várias camadas de roupa”, evitando usar roupas demasiados justas “que dificultem a circulação sanguínea”, e proteger as “extremidades do corpo” com luvas, gorro, meias quentes e cachecol.

Como medidas de prevenção para a generalidade da população, o DSP sugere que as pessoas lavem as mãos “muitas vezes”, quando se assoam, espirram ou tossem, e devem “tapar o nariz e a boca sempre” que tossirem ou espirrarem, usando um lenço de papel ou o braço.