Os eleitos do PSD na União de Freguesias de Buarcos e São Julião contestam as opções da maioria socialista no orçamento de 2017 desta junta.

Em nota de imprensa, é referido que “o orçamento, cuja receita se estima em 525.000 euros, obtido na sua maioria através do IMI (80 mil euros) e financiamento estatal (300 mil euros), grande parte desse montante é absorvido com os encargos correntes da máquina administrativa daquela autarquia(448 mil euros), sendo que o resto da verba e o transito do saldo de gerência (ainda não apurado) destinam-se a pagar uma estátua em homenagem do Infante D.Pedro(!?) e a construção dum armazém(!?), assim como, obras de reparação dos edifícios da JF”.

Ao mesmo tempo, os social-democratas referem que para a ação social “está previsto um valor de 16.000 euros (!?) e para associações e clubes a verba destinada é de 3.000 euros (!?)”. “Uma vez mais, a prioridade vai para os painéis, estatuas, estatuetas e construções supérfluas em detrimento duma verdadeira política de incentivo associativo e apoio social”, afirma Carlos Tenreiro.

Em consequência disso, “os membros eleitos pelo PSD não podem compactuar com este tipo de governação despesista, que apenas tem como orientação o dispêndio em dinheiro com obras que visam a inauguração e o assentar de placa inaugurativa esquecendo-se das necessidades básicas da freguesia ao nível da manutenção e reparação do espaço e equipamento publico já existente, assim como, outras necessidades na área social, designadamente, de apoio aos mais necessitados, famílias carenciadas, idosos desprotegidos, crianças em risco, etc”.

O orçamento da União de Freguesias de Buarcos e São Julião foi aprovado pela maioria socialista.