sindicato hotelaria e turismo centro

O Sindicato de Hotelaria do Centro vai lançar este verão uma campanha contra a precariedade de emprego nos setores de restauração e hotelaria, que irá percorrer “as principais zonas de destino turístico da Região”.

A campanha promovida pela recém-eleita direção do Sindicato arranca no fim de semana, na Figueira da Foz, com a distribuição de panfletos de esclarecimento durante o RFM SOMNI SunSet, evento que atrai milhares de pessoas à cidade.

“Combater a precariedade no setor da restauração e hotelaria vai ser uma das linhas de trabalho prioritárias da nova Direção do Sindicato recém-eleita”, reforça o Sindicato em nota divulgada hoje, acrescentando que, ao longo dos meses de julho e agosto irá “elaborar pedidos de intervenção à Autoridade para as Condições de Trabalho, com denúncia de práticas ilegais, para que também a nível da regulação das relações laborais se combata este fenómeno ilegal”.

A precariedade na Região Centro Litoral tem por altura da época balnear “um novo figurino”, denuncia a direção do Sindicato, sendo frequentes situações de desrespeito das normas do Contrato Coletivo de Trabalho do setor.

“Para responder à demanda do público de eventos e espetáculos [a precariedade] vai mais longe, caminhando alegremente na ilegalidade com o recurso a trabalho clandestino e não declarado”, refere o Sindicato, esclarecendo que “este fenómeno prolifera sobretudo ao nível da pequena e média indústria de restauração e bebidas, concorrendo assim de forma ilegal, logo desleal, com a restauração tradicional, que se preocupa em contratar profissionais do setor para estes períodos”.

Lembrando que “é obrigação de todos os cidadãos pagar os seus impostos e declarar os seus rendimentos à Segurança Social e Finanças” e que “a Lei impõe que as entidades patronais declarem à segurança social nas primeiras 48 horas que têm ao seu serviço o trabalhador”, o Sindicato de Hotelaria do Centro promete promover durante os meses de julho e agosto “uma campanha de esclarecimento com distribuição de um panfleto aos trabalhadores indicando-lhes as condições necessárias para repor a legalidade dos seus contratos”.