brasao_cm

A autarquia da Figueira da Foz vai investir mais de 850 mil euros na construção de uma nova unidade de saúde no norte do concelho, na freguesia de Alhadas, de acordo com um contrato-programa hoje assinado.

De acordo com os termos do documento, assinado entre o município e a Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC), o valor total de investimento camarário ascende a mais de 850 mil euros na construção e equipamento do novo edifício, cuja utilização será depois cedida à ARSC por um prazo de 20 anos, renovável.

A autarquia vai candidatar o investimento a fundos europeus do quadro Portugal 2020, que têm um teto máximo de 520 mil euros, sendo o restante coberto por fundos municipais.

Em declarações aos jornalistas, à margem da cerimónia, o presidente da Câmara Municipal, João Ataíde, justificou a decisão da autarquia em assumir os custos com a nova unidade para garantir a manutenção dos cuidados de saúde às populações.

“Não quero que haja uma quebra na prestação de serviços de cuidados de saúde primários às pessoas. É fundamental para nós acompanhar estas populações”, afirmou.

Já José Tereso, presidente da ARSC, destacou os “benefícios” da criação de unidades de saúde familiar (USF), pela sua diferenciação (como ausência de listas de espera ou uma sala de estar cheia de utentes) e possibilidade de passarem a integrar um conjunto de serviços “de primeira linha” na prevenção da doença.

Apesar de, nesta fase, José Tereso não garantir a criação de uma USF na freguesia de Alhadas, argumentando que cabe aos profissionais – médicos, enfermeiros e pessoal auxiliar – a criação de equipas nesse âmbito, é intenção da tutela aumentar o número daquelas unidades no concelho.

Também à margem da sessão, António Morais, diretor executivo do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Mondego, disse que a intenção é vir a criar mais três USF no município da Figueira da Foz (uma na cidade, outra na freguesia de Alhadas e outra em Lavos, a sul), a juntar às duas que já existem na zona urbana.

O projeto da nova unidade de saúde é camarário e será agora candidatado aos fundos europeus e objeto de concurso público de construção. Segundo João Ataíde, a obra deverá iniciar-se em setembro e estar concluída nove meses mais tarde, em finais de junho de 2017.